Equipes de Alta Performance

Contribuir para a melhoria da qualidade da educação é tarefa de toda instituição educativa. A formação oferecida aos estudantes e o resultado de suas aprendizagens estão diretamente relacionados à qualificação do corpo docente e também dos profissionais não docentes, afinal, em uma escola, somos todos educadores!   

Com base nessa ideia, o Colégio Loyola oferece aos seus colaboradores oportunidades de formação permanente. Na última semana, as lideranças intermediárias participaram do treinamento gerencial “Equipes de Alta Performance”, articulada por Francis Albert Cotta, doutor em História Social da Cultura.  

A atividade colocou coordenadores de série e gerentes administrativos diante de uma perspectiva inovadora e moderna para a gestão do ensino. Francis Cotta trouxe sua experiência na administração de eventos críticos para o contexto educacional, mostrando conceitos importantes, que, se aliados ao modelo de educação jesuíta, podem promover maior eficiência dentro e fora da sala de aula. 

Francis destacou, entre outros aspectos, a “mudança comportamental” como fator importante na comunicação entre colaborador e aluno. Segundo ele, esse processo é dividido em fases, sendo a da “escuta ativa” a base para o sucesso. O mesmo vale para a relação com pares no planejamento e condução das atividades acadêmico-pedagógicas. O pressuposto de que “o outro merece ser ouvido”, somado à empatia, é essencial para a criação de laços de confiança e para a segurança nas relações.  

De acordo com Carlos Freitas, Diretor Acadêmico do Colégio Loyola, o treinamento foi uma oportunidade para que a experiência e a ciência de Francis na gestão e na condução de equipes de alta performance no meio militar, mais especificamente no BOPE da PMMG, pudessem ser, com a devida transposição didática, norteadoras para as lideranças do Loyola. “Francis tem uma extensa e profunda formação acadêmica, o que permitiu que o treinamento, para além da ordem prática, tivesse a necessária referência teórica e conceitual de que uma escola necessita”, acrescenta o Diretor Acadêmico.  

Além de apresentar propostas de ação eficazes para uma boa gestão e resolução de conflitos, Francis mostrou técnicas de interpretação da linguagem das emoções com elementos da psicologia comportamental e programação neurolinguística, dando ênfase à relativização do erro, à resiliência e à flexibilidade, à confiança na competência e no compromisso dos colaboradores e, sobretudo, à responsabilização e autonomia. 

Com a atividade, o Colégio Loyola busca inserir cada vez mais uma visão moderna nos processos de gerenciais, a partir do paralelo entre teorias avançadas de gestão e resolução de conflitos e os princípios norteadores da espiritualidade inaciana e da forma de organização das obras da Companhia de Jesus. Dessa forma, os colaboradores têm a oportunidade de qualificar cada vez mais suas práticas com foco em melhores resultados dos seus estudantes. 

 


Compartilhe: